inicio   quem somos   o que fazemos   politica   missao e valores  
downloads
comunicacao externa
noticias
instalacoes
links
contactos
 
   
  O que fazemos
 
  Aterro Sanitário
O sistema integrado de gestão de RSU (resíduos sólidos urbanos) da LIPOR é completado pelo Aterro Sanitário da Maia que recebe os resíduos últimos e rejeitados da Central LIPOR II que não tenham qualquer viabilidade de aproveitamento.

Os resíduos são confinados, cobertos com telas e terra vegetal, dando origem a um espaço verde com potencialidades de ajardinamento e arborização.

Gerir, controlar e desenvolver o Aterro Sanitário da Maia é a importante tarefa da CITRUP.


Tratamento de Lixiviados
Na deposição de resíduos em aterros são produzidos efluentes em relação aos quais para assegurar em termos mais eficazes a protecção do ambiente e da saúde humana, é necessário o seu tratamento. Estas águas residuais são caracterizadas por elevadas cargas poluentes e devem ser adequadamente recolhidas e tratadas em estações de tratamento.

Os lixiviados resultantes da deposição de resíduos são drenados para poços de bombagem, devido à inclinação do fundo do aterro, donde são bombeados para uma lagoa de homogeneização/igualização. O tratamento de lixiviados, por um bioreactor de membranas - BRM (nitrificação/desnitrificação seguido de ultrafiltração) e uma unidade de osmose inversa como tratamento final de afinação.

Através deste processo de tratamento, os lixiviados ficam isentos da sua carga orgânica, de sais minerais e metais pesados, o que confere ao efluente final características para a sua utilização posterior, nomeadamente para a rega e manutenção dos espaços verdes envolventes.


Tratamento de Biogás
A degradação dos resíduos orgânicos depositados e cobertos no alvéolo produz biogás, que na sua composição contém metano, o qual possibilita a queima. No aterro gerido pela CITRUP foi implementado um queimador de biogás que permite eliminar todos os elementos nocivos para a atmosfera.


Monitorização
Consciente que o Aterro Sanitário da Maia incorpora na sua concepção e gestão procedimentos e metodologias ao nível das melhores infra-estruturas existentes, foi concebido um rigoroso plano de vigilância e monitorização ambiental.

Este plano baseado, essencialmente, na monitorização da qualidade das águas superficiais e dos aquíferos envolventes, na qualidade do ar e dos solos, não poderia deixar de monitorizar os sub-produtos da própria actividade associada, quer do ponto de vista sólida (resíduos recepcionados), quer do ponto de vista liquido (lixiviado) e/ou gasoso (biogás), de acordo com o mais exigente e recente normativo nacional e comunitário.

Para o efeito, foram instalados ainda antes da entrada em funcionamento do Aterro Sanitário um conjunto de 4 piezometros duplos e implementado um esquema de analise e controlo de parâmetros significativos com vista a avaliar o impacto que a infraestrutura poderá eventualmente provocar no meio envolvente.

Dados meteorológicos locais, dados de analise periódicas efectuadas nos vários descritores ambientais (água, solo e ar) e
dos próprios parâmetros de exploração, são os elementos chave de uma base de dados ambiental que permite através de mecanismos de controlo garantir a qualidade do processo, minimizando os efeitos potencialmente negativos para o ambiente e para a saúde pública.

Complementarmente e porque não só este tipo de dados são
essenciais para um perfeito conhecimento e gestão de um Aterro,
desenvolve a LIPOR um protocolo de cooperação com a Faculdade
de Engenharia da Universidade do Porto
no sentido de caracterizar
e observar o comportamento mecânico de um Aterro tão especifico
como este.
 
 
 
         
 

quem somos

o que fazemos

política

missão e valores

comunicação externa

instalações

notícias

linkS

contactos

         
Copyright © 2000-2017 Citrup - Centro Integrado de Tratamento de Resíduos Últimos do Porto, Lda. Todos os Direitos Reservados. coresaocubo